0

Histórico de Vygotsky, Decroly, Montessori


Vygotsky



       Estudioso russo na área de história, literatura, filosofia e psicologia. Vygotsky dedicou-se à docência de 1920 a 1934, auxiliando na constituição de novos laboratórios de investigação, contribuindo para a criação e a organização de instituições de atenção às crianças portadoras de necessidades especiais e também escrevendo cerca de 200 trabalhos científicos.
        Vygotsky é o representante principal da tendência que privilegia os pressupostos sócio-históricos ou sócio-interacionistas, a qual aponta para uma posição oposta à perspectiva evolucionista do conhecimento apontada por Piaget, pensando, portanto, em uma Psicologia historicamente fundamentada através dos processos de mudança na história do sujeito. As preocupações de Vygotsky centram-se em buscar quais os aspectos da dinâmica da cultura e da sociedade que teriam influência no curso de desenvolvimento do sujeito. Vygotsky procura compreender de que maneira se dá a interferência do mundo externo no mundo interno, ou como a natureza sociocultural se torna a natureza psicológica.
 Vygotsky defende uma abordagem teórica e, conseqüentemente, uma metodologia que privilegia a mudança. A cada estágio do seu desenvolvimento a criança adquire os meios para interferir de forma competente no seu mundo e em si. Destaca a importância da criação e do uso de estímulos auxiliares ou “artificiais”. Através desses estímulos uma situação inédita e as relações ligadas a ela são alteradas pela intervenção humana ativa.          Os homens introduzem esses estímulos auxiliares como uma maneira de adaptar-se ativamente. O autor considera os estímulos como altamente diversificados: eles incluem os instrumentos da Cultura na qual a criança nasce, a linguagem das pessoas que se relacionam com a criança e os instrumentos produzidos pela própria criança, incluindo o uso do próprio corpo. Vygotsky enfatiza a importância do brinquedo e da brincadeira, do faz de conta para o desenvolvimento cultural da criança.
        Na sua teoria educacional é necessário enfatizar o conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal que significa a distância entre aquilo que a criança sabe fazer sozinha (o desenvolvimento REAL) e o que é capaz de realizar com o auxílio de alguém mais experiente (o desenvolvimento POTENCIAL). Dessa forma, o que é Zona de Desenvolvimento Proximal hoje vira nível de desenvolvimento real amanhã. O bom ensino, portanto, é o que incide sobre a Zona Proximal.
Decroly
        Decroly, educador belga, ressaltou que a criança deve solucionar os problemas e viver os momentos de existência infantil plenamente: esse é o destaque que colocou na educação infantil, compreendendo as condições do desenvolvimento infantil e não a preparação para a vida adulta, como era o pensamento educacional em vigor, na sua época.
        Decroly ajustou a escola à psicologia da criança, transformando o ensino, sendo que seu método é chamado por centros de interesse, destinado principalmente aos alunos das classes primárias, porque procura associar os interesses infantis com os conhecimentos.
        Para ele os centros de interesse se modificam com a idade. Isto é, dos três aos seis anos de idade, no Jardim, através do contato com o meio. A isto se associava a idéia de conhecimento, pela criança, de defender-se de perigos e acidentes, de lutar contra as dificuldades, de suas necessidades de se alimentar, de ter alegria e de trabalhar e agir em grupo. Conhecendo o meio, a criança estaria satisfazendo suas necessidades. Sendo assim, a sala de aula está presente no dia-a-dia da criança: na cozinha, no jardim, no museu, no campo, na oficina, nas viagens etc.
        Para Decroly, a criança passava por três momentos nos seus centros de interesse: o da observação, o da associação e o da expressão. A duração dos centros de interesse pode variar muito, até meses, sendo, portanto, flexível, por motivo da riqueza dos conhecimentos a serem trabalhados.
        Não se preocupou em escrever uma obra fundamental, porque pensava, ao expor suas técnicas, que elas poderiam se cristalizar: preocupou-se mais em apresentar princípios educacionais do que com fórmulas rígidas.
Montessori
       Montessori, educadora italiana, estudou medicina, tendo-se doutorado nesta ciência pela Universidade de Roma, dedicou-se, a partir dos 25 anos, às crianças anormais na clínica daquela Universidade.
        Na Itália, nesta época, vivia-se um movimento da educação nova em oposição aos métodos tradicionais, que não respeitavam as necessidades e a evolução do desenvolvimento infantil.
        Nesse contexto, Montessori fundou a primeira Casa da Criança em 1907, sendo locais de educação e de vida, não somente de instrução, visando à educação completa da criança. Utiliza um método ativo quanto à criação e a aplicação, tendo como centro as atividades motoras e sensoriais, especialmente na educação pré-escolar, embora o tenha estendido também à segunda infância. Respeitava as necessidades e a evolução do desenvolvimento infantil, sendo um método de trabalho individual, embora tenha um cunho social, porque as crianças, com o grupo social, devem colaborar com o ambiente social.
Concentrou seus conhecimentos à formação de professores para a educação de anormais. Experimentou em crianças normais os procedimentos usados na educação de anormais, após observar os defeitos das escolas comuns.
        Da educação terapêutica partiu para as fases de desenvolvimento infantil e as diferenças individuais, preocupando-se com o corpo e o espírito do aluno e o seu processo de adaptação à vida social. Assim, a “escola deveria girar em torno do aluno”.
        No sistema Montessoriano de educação os ruídos são considerados prejudiciais e, portanto, o silêncio é muito valorizado. Até o professor não precisa falar alto e a criança fala apenas quando seu trabalho exigir.
Montessori defendeu uma concepção global de educação e, também, deu ênfase à relação da criança com a natureza, daí, resultando, as ciências que mereceram um papel de destaque.

0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO QUANDO VISITAR O BLOG Edna Ribeiro - Um Olhar para o Horizonte