0

12 maneiras de transformar seu aluno em fã


12 maneiras de transformar seu aluno em fã

Brasilio Neto

Manter um aluno por dois, três anos e relativamente fácil, com as dificuldades de se mudar de escola: o estudante tem de adaptar-se a um currículo totalmente novo, novas regras, etc.

O problema e que essa tática não garante que os parentes daquele aluno se matriculem ali. E tratando-se de ensino superior, vai frustrar o aluno, que n?o se sentira preparado para sua profissão, e também n?o vai indicar a nenhum amigo ou conhecido a essa instituição.

Um dos grandes desafios das escolas hoje e tornar seus alunos fãs, para que eles permaneçam na instituição e tragam novos estudantes. Veja algumas dicas:

1. Seja fonte de novas ideias: todos seus alunos estão preocupados, em graus diferentes, com o futuro, com a maneira pela qual o mundo funciona. Apóie seus alunos nesse sentido, dando-lhes informações sobre o cotidiano que não estão no currículo. A escola também pode realizar palestras e bate-papos com profissionais de sucesso, futurólogos, economistas, etc.

2. Demonstre que você tem o conhecimento: o conhecimento que seus alunos esperam, muitas vezes, n?o e aquele que o professor passa na sala de aula. Que tal fornecer-lhes instruções básicas de economia, marketing pessoal e outros assuntos necessários para sobreviver lá fora? Desenvolva rápidos livrinhos sobre esses temas e distribua a seus alunos.


3. Transmita a imagem correta: se você quer que sua instituição de ensino seja reconhecida como a melhor da região, então faca com que tudo a sua volta reforce essa imagem. N?o e necessário contratar um decorador e cobrir seu escritório com tapetes e quadros caros, mas concentre-se no obvio. Ataque banheiros com ladrilhos faltando, paredes manchadas, plantas secas ou mortas. Assegure-se de que toda sua equipe se apresente bem, com uniformes em ordem. Mire-se no exemplo dos parques da Disney, que sabem que boa parte de sua imagem vem de seus faxineiros, com uniformes imaculadamente limpos e passados. O mesmo vale para suas serventes.

4. Conheça o aluno: n?o assuma que você entende os anseios e as necessidades de todos os alunos. Cada bairro da cidade, cada classe social produz pessoas com necessidades e vis? diferentes. Dentro de cada bairro, cada família possui suas peculiaridades. E dentro de cada família, cada pessoa tem seu modo único de pensar. Muitos colégios erram ao se apoiar em estudos referentes ao "aluno brasileiro médio". Ora, trabalhar com a média vai fazer, no máximo, que você crie uma escola igual as outras. Gaste algum tempo entendendo a comunidade que você quer atingir.

5. Demonstre que você esta aprendendo constantemente: esse e um componente chave para garantir o relacionamento escola-aluno. Para que um estudante sinta-se confortável com o passar do tempo, você deve mostrar que esta constantemente aprendendo, tornando-se mais atual, útil e competente. Ficar estagnado e fatal para qualquer instituição.

6. Comunique-se claramente: manter um entendimento claro e cristalino com seus alunos e mais importante do que nunca. Cuidado com aquelas circulares cheias de termos técnicos. Algumas s? escritas de uma maneira que só confunde os alunos e pais. Esqueça, portanto, as "atividades de campo interativas para observação da variedade da fauna nacional no Bosque e Jardim Botânico Municipal Memorial Etelvina Montes Farberbara.". Escreva "visita ao Jardim Botânico".

7. Seja acessível: mantenha suas portas abertas, esteja sempre pronto para falar com seus alunos. A grande parte não abusa dessa facilidade de acesso, embora eles se sintam mais seguros ao saber que podem contatá-lo sempre que precisarem. Diminua a burocracia entre a direção e os alunos.

8. Ouça: deixe o aluno falar e você vai acabar descobrindo exatamente o que ele deseja para que suas aulas e sua escola sejam ainda melhores. Somente quando você tem uma imagem bem clara dos motivos e preocupações dos estudantes e que você pode montar uma escola especifica para aquela realidade. Abuse de caixas de sugestões e - por que não - reuniões com representantes de alunos.


9. Pense como o estudante: foque no que agradou a você como aluno, quando você sentava do outro lado da sala, bem como as coisas que fizeram você trocar de escola ou faculdade. Assegure-se de praticar a primeira parte, e evitar a segunda. E resista a tendência comum de achar que o que e bom para a sua escola e automaticamente bom para os alunos. N?o e, mas o inverso e verdadeiro: o que e bom para seus alunos, no final das contas, vai ser bom para sua instituição. Pense nessas leis sempre que for aprovar algo para sua instituição. Aquela nova ação vai tornar o estudo melhor, mais facil ou agradável?

10. Nunca decida o que um aluno quer: os estudantes querem conselhos, dicas, sugestão e não conclusão tempo todo. Então ofereça opções e alternativas. Ensine-os a pensar e analisar. Existe um espaço para verdades absolutas na escola (2 + 2 =4), mas ele n?o deve ser dominante no relacionamento com os alunos. Trabalhe para criar um cenário que permita ao aluno decidir, apontando aspectos positivos e negativos de algumas situações. Você estará desenvolvendo características que ser?o muito uteis para eles mais tarde.

11. Torne-se paranoico: Andy Grove, presidente da companhia de pecas de computador Intel, sugere que seu sucesso e resultado direto de sua paranoia. E a paranoia que o mantém engajado, atento e fazendo perguntas. Ele esta constantemente no limite e suas antenas estão sempre funcionando. Dessa maneira, e difícil alguma coisa passar despercebida ou pega-lo de surpresa. O mesmo vale para sua escola. Tenha uma equipe de paranoicos, atentos as mudanças das necessidades dos alunos, aos novos lançamentos de livros didáticos, as novas tendências. Ai, separe o que e paranoia do que e realmente util. Nada de ficar mudando de livros a cada lançamento: esteja atento, porem seja criterioso.

12. Se você não pode ajudar o aluno, seja honesto: a prova do profissionalismo e dizer n?o. N?o existe maneira de uma escola (ou professor) ser capaz de fazer tudo - e nem o estudante espera isso. Alunos querem soluções e boas e confiáveis. Se n?o for possível, diga. E melhor que prometer e n?o conseguir cumprir depois.

0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO QUANDO VISITAR O BLOG Edna Ribeiro - Um Olhar para o Horizonte